Sinais 2 pessoas gostam um do outro

3.Falta de contato físico com você. Este é um dos sinais mais evidentes que possam existir a respeito. Se no passado o seu parceiro aproveitava cada oportunidade para tocá-lo, beijá-lo ou demonstrar afeto de forma física e agora não o faz mesmo quando as circunstâncias são favoráveis, talvez você deveria começar a pensar sobre separação. 2. Estar em locais públicos pode ser esmagador ou avassalador: lugares como shoppings, supermercados ou estádios, onde há uma grande quantidade de pessoas ao redor, podem sobrecarregar o empata com emoções turbulentas. 3. Sentir as emoções e tomá-las como suas: esse é um grande fardo para pessoas sensitivas. Como Lidar com o Fato de Estar Apaixonado por Duas Pessoas. Embora muitos indivíduos se sintam plenamente felizes com a ideia de uma única alma gêmea, amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo é possível. No entanto, essa situação pode ser... 10 sinais que seus colegas de trabalho não gostam de você. No trabalho a convivência obrigatória nos faz ter que lidar com profissionais que às vezes não nos damos bem 3. Vocês gostam de agradar um ao outro. Não é de admirar que os casais que gostam de fazer coisas agradáveis um para o outro são os que permanecem juntos por mais tempo. Se vocês gostam de encontrar formas de aliviar as cargas um do outro ou deixar um bilhetinho encorajador para o outro encontrar, vocês vão acabar ficando velhos e ... 12 sinais sutis de um casamento infeliz sem amor. Você pode pensar que seu relacionamento é normal. Mas é mesmo? Use esses sinais de casamento infelizes sem amor para descobrir se você pode realmente ser mais feliz! Alison Ricard Um relacionamento é bastante previsível. Se ambos são felizes no amor, você saberia. E se ambos são infelizes no… 8 sinais de que você vive um “bromance” e não sabe ... por isso é natural que já tenham decorado o número de telefone um do outro. Além disso, é sempre para ele que você liga quando precisa de ajuda ou quer um conselho. ... 6- Vocês constantemente expressam mesmo que de maneiras bizarras o quanto gostam um do outro. 2 – Você gosta de se sentir parta da vida das pessoas. Se há essa necessidade em você, esse é outro dos sinais de que a sua passagem nessa vida é de dedicação e amor ao próximo. Há uma necessidade de aprender, ensinar e tocar outras pessoas. E isso faz você feliz. Essa alegria é um forte sinal de que você está predestinado a ... Se essas coisas parecem lhe descrever, talvez você seja uma pessoa extremamente sensível. Esse traço de personalidade – que foi pesquisado a princípio por Elaine N. Aron, Ph.D. no começo da ... Como Lidar com Pessoas que Não Gostam de Você. Conviver com pessoas que não gostam de você pode ser uma experiência dolorosa, mas é um desafio da vida com o qual todos precisamos saber lidar. Saber se defender dos ataques dessas pessoas,...

Fui a babaca por contar a história de como eu e meu marido nos conhecemos? #Turmafeira

2020.08.12 15:44 sairennorebi Fui a babaca por contar a história de como eu e meu marido nos conhecemos? #Turmafeira

Oi Luba, editores, possível convidado virtual, gatas, papelões sobreviventes e turma que está a ver, quero muito participar por que preciso saber se eu fui a babaca na história.
Bom Luba, eu tinha uns 18 anos na época e minha amiga a mesma idade que eu, vamos chama-la de Karla para não expor. Nós éramos melhores amigas desde crianças. Somos da mesma igreja e, após eu ter um término com meu ex namorado entrei pra um dos grupos que tinha na minha igreja que ela participava. Assim que eu entrei reparei em um rapaz que também fazia parte e logo eu dei uma desculpa para pegar o número dele e começamos a conversar cada vez mais, vamos chamar ele de Carlos. Um tempo depois que estávamos conversando comecei a gostar dele e como eu e a Karla éramos melhores amigas eu fui contar pra ela. Quando contei ela disse que também gostava dele mas que não tinha tido coragem de chegar nele. A questão é que a Karla realmente é mais tímida que eu, mas ela conhecia ele antes de mim e não tinha me falado nada. O clima ficou meio tenso por um tempo e eu até pensei em me afastar do Carlos, afinal não queria perder a amizade dela, mas um tempo depois, quando as coisas estavam começando a ficar mais normais, Calos veio me falar que o melhor amigo dele estava gostando da Karla, vamos chama-lo de Tiago e que queria saber como chegar nela. (Ps. Carlos descobriu que eu e a Karla estávamos gostando dele pela mãe do Tiago, ela era líder desse grupo da igreja que participávamos.) Tiago também era muito tímido então não tinha muita coragem de chegar na Karla mas com algumas dicas ele conseguiu e os dois se aproximaram. Eu e o Carlos começamos a namorar e pouco tempo depois a Karla e o Tiago também, o que era bem legal por que saíamos juntos e éramos um grupo de melhores amigos. Tenho que deixar claro também que Tiago, com o passar do tempo começou a dar sinais de ser meio babaca com a Karla, como fazer ela sair de um emprego que ela estava ganhando muito bem pra ir pra outro que ela ganharia salário mínimo só porque no primeiro ela tinha que ir super arrumada pro trabalho (era corretora de imóveis), isso por que ela ainda está não era formada e tinha que pagar sua própria faculdade por que os pais dela não tinha condição, enquanto ele era formado e não trabalhava e ficava o dia todo em casa jogando.
Passaram-se anos nesse meio termo e Carlos e eu começamos um relacionamento a distância por que ele foi estudar medicina em outro país, e mesmo assim continuávamos juntos e com uma relação muito boa. No último ano, eu já tinha 22 anos, estava nas férias e Carlos estava comigo e fomos no aniversário da irmã de Tiago (ela era muito minha amiga e do Carlos também) e tinha outra amiga nossa lá, vamos chama-la de Larissa, ela veio me contar que tinha começado um relacionamento e que tinha começado meio errado e que tinha sido muito complicado e que estava com medo de por ter começado errado dar tudo errado (detalhe eu estava noiva do Carlos nesse dia e já estávamos próximo do casamento). Com ela me contando isso resolvi contar pra ela como foi o começo do meu relacionamento com o Carlos e como foi difícil porque eu tinha uma amiga que gostava dele, mas eu troquei todos os nomes e não expus ninguém, para mostrar pra ela que as vezes começa difícil como forma de provação pra ver o quanto as pessoas se gostam mesmo, mas que no final podia dar certo. O problema foi que a Karla e o Tiago estava perto e eu não vi, ela escutou tudo e ficou muito puta comigo. Fiquei sabendo depois que o Tiago tinha brigado muito com ela, falando que ele tinha sido o resto, que na verdade ela queria ter ficado com o Carlos (eles já tinham mais de 3 anos de namoro), sendo que ele sempre soube do começo da história, até por que foi a mãe dele que contou tudo pro Carlos. Resumindo ela ficou muito brava comigo e hoje não olha nem na minha cara, detalhe, eles eram nossos padrinhos de casamento e depois disso tivemos que achar outro casal às pressas por que estava perto do casamento. Durante a briga eu disse pra ela que ela estava deixando o Tiago decidir tudo da vida dela inclusive quem ela seria amiga e por isso ela estaria se afastando de mim, mas ela diz que eu inventei toda aquela história e que ela nunca tinha gostado do Carlos, sendo que tem outros amigos nossos que viveram esse momento conosco e sabem que é tudo verdade.
Atualmente estou casada com o Carlos e estamos vivendo muito feliz com ele no Peru (onde ele faz medicina). Ela continua o relacionamento com o Tiago e até onde eu sei ele está morando em outra cidade mas ainda controla cada movimento dela, não deixando ela ter amigos que ele não queira e nem fazer nada que ele não deixe. A mãe dela (muito amiga da minha mãe) detesta o Tiago e tudo que ele tem feito com a filha dela, que antes era uma menina feliz e alegre, agora vivia triste e chorando.
Então, eu fui a babaca por ter contado a história de como eu e meu marido nos conhecemos para uma amiga?
submitted by sairennorebi to u/sairennorebi [link] [comments]


2020.07.07 04:57 altovaliriano Stannis Baratheon (Parte 2)

No prólogo de A Fúria dos Reis vemos Stannis pela primeira vez. Sua austeridade e dureza são representados por suas roupas e palavras. Mas pouco se vê de seu senso de justiça e dever. Sua rispidez é a tônica geral da introdução do personagem.
A arrogância de Baratheon é contrastada pelo modo carinhoso como Cressen pensa no rei. A disparidade se acentua conforme o meistre oferece conselhos ponderados e, por lealdade, decide arriscar a própria vida para evitar a corrupção de Stannis.
Durante o capítulo, vemos Cressen perdendo lugar ao lado do rei, enquanto Melisandre ascende rapidamente. Fala-se abertamente em um projeto de poder que envolve magia e fratricídio. Por fim, Cressen sofre humilhações em público com a conivência do próprio homem que está tentando salvar.
Sendo o rei um homem vaidoso, ambicioso e suscetível, não é difícil detestar Stannis.
Porém, George está nos enganando.
Na cena em que o conhecemos, Stannis acaba de passar uma péssima madrugada com Davos. Nela, ele recebe um desastroso relato de que os senhores das Terras da Tempestade não apoiarão sua pretensão ao Trono de Ferro contra os Lannisters.
É como o preveni. Não se levantarão, Meistre. Por ele, não. Não gostam dele.
[…]
Não poderia lhe trazer alguma esperança?
Só do tipo falso, e eu não faria isso – Davos respondeu. – De mim, ouviu a verdade.
Portanto, se o leitor conhecesse minimamente o rei quando Cressen entra no Tambor de Pedra e o encontra sentado atrás da Mesa Pintada, saberia que suas palavras são decorrente de um orgulho ferido. A visão de Cressen entrando pela porta irrita Stannis não porque Baratheon o detesta, mas porque é um sinal de que a notícia de sua “humilhação” estava se espalhando:
– Eu sabia que você viria, velho, fosse convocado ou não […]. – Eu sabia que você descobriria em breve o que Davos tinha a dizer. É sempre assim, não é?
– Eu não lhe teria nenhuma utilidade se assim não fosse – Cressen respondeu. – Encontrei Davos na escada.
– E ele contou tudo, suponho. Devia ter encurtado a língua do homem junto com os dedos.
É uma péssima primeira impressão para o leitor. Além da linguagem corporal, a composição da cena passa a sensação de antagonismo. Depois de termos visto o renascimento dos dragões, de termos vislumbrado o nascimento da chance de Daenerys poder reclamar o Trono de Ferro, ver Stannis sentado na cadeira de Aegon planejando uma invasão a Westeros é a quintessência do usurpação. Os Baratheons não apenas tiraram de Daenerys o trono como o futuro enredo.
A situação de Stannis se emparelha com a de Daeneyrs por ambos perdido o trono e não terem forças suficientes para retomá-lo. Porém, uma avaliação mais profunda revela que, em contraste com Daenerys, Stannis está apenas reclamando de barriga cheia.
O novo rei tem milhares de homens de armas, dezenas de navios, algum dinheiro à disposição e diversos aliados nobres que reconhecem sua pretensão. Daenerys está sendo aconselhada por um espião e várias aliados incertos, enquanto Stannis está cercado de conselheiros em sua maioria extremamente leais. Além disso, Porto Real está a poucos dias de distância de Pedra do Dragão, ao passo que Daenerys está do outro lado do mundo.
Mesmo diante destas facilidades, Stannis se comporta como uma pessoa acuada, que desesperadamente dá ouvidos a planos de assassinato. De alguma forma, o novo rei lembra seu antecessor na mesa do pequeno conselho que, diante da notícia da gravidez de Daenerys, acatou as mais desonrosas sugestões para garantir o trono.
Entretanto, bastava olhar para Stannis para saber que ele não era igual ao irmão. A própria descrição física já deveria sinalizar que ele é a antítese de Robert. Enquanto a barba de Robert era uma “coisa emaranha, espessa e feroz”, Stannis “como que em resposta Stannis mantinha suas suíças bem aparadas”. Doze anos em Porto Real tornaram Robert cinquenta quilos mais gordo (AGOT, Eddard I), mas Stannis permanecera largo e forte com “bochechas secas e ossudas”. Portanto, enquanto para Robert o cargo era sinônimo de permissividade, para Stannis era sinônimo de responsabilidade.
De fato, em A Guerra dos Tronos, vimos em primeira mão como Robert delega todas as suas atribuições, enquanto Stannis, desde a primeira impressão, parece lidar pessoalmente com tudo. Curiosamente, essa impressão não vem apenas das palavras de Stannis (“Fiz parte de seu conselho durante quinze anos, ajudando Jon Arryn a governar o reino, enquanto Robert bebia e visitava prostitutas”), mas da menção ao briquismo do rei.
O ranger de dentes de Stannis pode parecer um detalhe aleatório. Contudo, o fato de que este hábito não é totalmente voluntário acaba por nos dar um insight sobre a mente de um personagem não-POV. Em outras palavras, o briquismo indica de que Stannis não é leviano em suas reclamações. As frustrações o afetam a nível subconsciente. Seu stress é constante.
As palavras de Cressen podem levar o leitor a pensar que o rei é apenas carrancudo. Afinal é dito que Stannis desde pequeno. Por exemplo, Lorde Steffon falava de trazer um bobo para ensinar Stannis a rir quando o garoto já tinha 14 anos. Mas somente no primeiro capítulo de Davos ficamos sabendo o quanto o novo rei é passional e permeável à dor.
Stannis fala que a experiência de ver o navio dos pais afundar o transformou. Cressen fala disso passageiramente no Prólogo, mas a profundidade do sentimento somente vem a tona depois:
Deixei de acreditar em deuses no dia em que vi o Orgulho do Vento quebrar-se do outro lado da baía. Jurei que quaisquer deuses que fossem monstruosos a ponto de afogar minha mãe e meu pai nunca teriam a minha adoração.
Robert estava ao lado de Stannis e não parece ter sido afetado pela experiência na mesma medida que Stannis. O fato de Stannis ainda guardar rancor do acontecido, aos quase 35 anos de idade, é revelador.
A evidência mais forte que Stannis não estava em seu estado normal durante a conversa no Tambor de Pedra pode ser vista em dois trechos. O primeiro acontece quando Cressen chama Stannis pelo pronome de tratamento correto e o rei encara como provocação:
Vossa Graça – Stannis rebateu amargamente. – Zomba de mim com o tratamento devido a um rei, mas sou rei de quê? Pedra do Dragão e um punhado de rochedos no mar estreito, eis o meu reino.
O segundo trecho que indica que há algo errado ocorre quando Cressen sugere prometer a Robb vingar a morte de Ned Stark, para que eles possam assim formar uma aliança:
Por que eu deveria vingar Eddard Stark? O homem não era nada para mim.
Não há nenhuma mentira nas palavras de Stannis, mas elas foram ditas em um arroubo de raiva. Com efeito, mais tarde, quando está mais calmo, Stannis diz justamente o contrário:
Não tenho qualquer dúvida de que Cersei teve um dedo na morte de Robert. Obterei justiça por ele. Sim, e por Ned Stark e Jon Arryn também.
(ACOK, Davos II)
Quando Cressen deixa a presença do rei, Stannis estava dando ouvidos ao papo de Selyse sobre Melisandre ter visto Renly morto nas chamas. No caminho de volta a seus aposentos, Cressen está alarmardo pelo que ouviu de Stannis e pela forma como está sendo afastado dos eventos. Isso dá ao leitor a falsa sensação de que algo está fora do prumo.
Entretanto, essa sensação é incorreta. Como bem descreve u/arthurmaia em um excelente texto para o portal Gelo & Fogo, Cressen não estava sendo excluído, nem Stannis estava sendo especialmente desagradável com ele. Nenhum dos outros conselheiros do rei havia sido convocado e Stannis é igualmente desagradável com Selyse quando ela aparece.
Eu ainda acrescentaria que o próprio Cressen comentou que Pylos estava ali para substituí-lo quando morresse. Portanto, a substituição de um pelo outro no banquete noturno não era nenhuma grande conspiração contra o velho meistre. Talvez uma desfeita bem leve por parte de Stannis, já que a substituição não ocorreria antes da morte de Cressen, mas ainda assim feita com boas intenções:
É culpa dele que o velho tenha morrido? – Stannis deu uma olhada para o fogo. – Nunca quis Cressen naquele banquete. Sim, ele tinha me irritado, tinha me dado maus conselhos, mas não o queria morto. Tive esperança de que lhe pudessem ser concedidos alguns anos de tranquilidade e conforto. Merecia pelo menos isso, mas… – rangeu os dentes – morreu. E Pylos serve-me com competência.
(ACOK, Davos I)
A urgência de Cressen parece ter sido despertada pela convergência dos fatos. A eclosão da guerra, morte de Robert, Stannis e Renly prestes a se enfrentarem, acúmulo de eventos naturais augorentos e Melisandre conqustando mentes e corações em Pedra do Dragão. Como homem responsável pela criação dos Baratheon e por ser um meistre da Cidadela, é natural que Cressen sinta-se aflito e no dever de se envolver em todas estas questões.
Todavia, a forma como o velho meistre joga toda a culpa da questão em Melisandre é muito precipitada. É claro que não sabemos a quanto tempo ele deve estar testemunhando Melisandre enchendo a cabeça dos ilhéus de Pedra do Dragão e da Senhora Selyse. Ainda, Martin escolhe justamente o momento da conversão de Stannis para nos apresentar à situação, o que agrava a sensação de “causa perdida”.
Stannis, contudo, também está mostrando sinais de desespero com a falta de apoio para sua pretensão. A mulher vermelha não havia conseguido chegar até Stannis (e ficamos sabendo em seu POV em Dança dos Dragões o quanto ela trabalhou para conseguir se aproximar dele).
Assim, enquanto Cressen corria de um lado para evitar que Melisandre tonificasse as ambições de Stannis e levasse irmão a matar irmão, Stannis estendia a mão à mulher de Asshai como quem tinha pouco a perder. O banquete da noite seria aos vassalos e a Melisandre, portanto aquele era o momento tão esperado para a sacerdotiza “vender o seu pão”. Stannis deveria estar bem ciente disto.
Por esta razão que a entrada de Cressen no recinto veio como uma visita inesperada e incômoda. Tudo piora quando o meistre passa a antagonizar com Melisandre quando a feiticeira o estava ajudando a se levantar. Fica ainda pior quando Cressen, em público, o chama de Lorde ao invés de Rei. Aconselhar o rei em público sobre fazer comum com Starks e Arryns é ainda mais constrangedor. Negar o poder do Deus ao qual o rei está querendo se converter também não ajuda a imagem de Stannis.
Quando Cressen está claramente fazendo papel de tolo, Selyse ordena que Cressen volte a utilizar o elmo do bobo. Somente quando Cara-Malhada não entregue o balde é que Stannis interveem:
Sim – concordou a Senhora Selyse. – O elmo do Malhada. Cai bem em você, velho. Volte a colocá-lo, eu ordeno. [...]
Os olhos de Lorde Stannis estavam na sombra das suas pesadas sobrancelhas, sua boca, apertada, enquanto o maxilar trabalhava em silêncio. Rangia os dentes sempre que se zangava.
Bobo – ele rosnou por fim –, a senhora minha esposa ordena. Dê o elmo a Cressen.
Como era de se esperar, o velho meistre ficou horrorizado com Stannis ter feito parte da gozação para com ele. Stannis não deu a mesma ordem que Selyse, é verdade. A julgar por suas palavras, o rei estava mais incomodado de ver a rainha desobedecida do que participando da brincadeira. Mas com esta atitude ambígua por parte de Stannis, GRRM testa os limites da farsa que está montando. Talvez por isso que Martin fez com que Baratheon se redimisse logo a seguir:
Talvez ele deva, daqui para a frente, cantar os seus conselhos – disse a Senhora Selyse.
Foi longe demais, mulher – repreendeu-a Lorde Stannis. – É um velho, e serviu-me bem.
Com a morte de Cressen, o plano de evitar a conversão do rei ao R’hllorismo falha absolutamente. Na verdade, Cressen acaba dando palco para que Davos ficasse ciente dos poderes da mulher de Asshai e passasse a temê-la também. Da parte de Stannis, a morte de Cressen, de tão inexplicável, pareceu decorrer de sua idade.
Não é afirmado qual foi o veredito de Pylos sobre a morte do velho. Mas uma vez que era o novo meistre era bem jovem, possivelmente não deve ter detectado um veneno tão específico como o estrangulador (no caso de Joffrey, a idade e o conhecimento de Pycelle devem ter ajudado o diagnóstico).
Por outro lado, Stannis já estava substituindo Cressen por Pylos. É possível até que goste mais do rapaz “solene” e “sempre correto” do que do velho meistre. Cressen pensava em formas de tornar Pedra do Dragão um lugar mais leve, mas Stannis provavelmente pensava o contrário. “Pylos serve-me com competência”, disse o rei. E para Stannis, competência era metade do caminho andado.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.07.04 01:46 throwawaypt123123 “Aquele rapaz que toda a gente conhece”

Esse, era eu quando era novo. O popular. O “fixe”. O que tinha boas notas, mas não se juntava com os “nerds”. O que só fazia porcaria nas aulas. O que jogava bem à bola. O que se chegava à frente.
Era o centro de toda a atenção sem a procurar. Era assim e pronto. Olhando para trás, vejo que os meus colegas ou me admiravam, ou me invejavam. De qualquer maneira, não passava indiferente a ninguém.
O meu gosto natural pela aprendizagem levou-me sempre a ter excelentes classificações durante esses anos, embora me juntasse com os “piorzinhos”. No entanto, algo viria a mudar. O meu interesse desvaneceu. De repente questionava-me o porquê de estar a aprender aquilo, e deixei de apreciar o processo independentemente do conteúdo. Cresci e comecei a questionar-me das coisas? Talvez os professores tivessem piorado? Os colegas mudaram? A matéria lecionada deixou de ser relevante? Talvez um pouco de tudo.
E aí está o grande e popular OP, com por volta de 18 anos, a chumbar no 12ºano e longe de ser o centro das atenções (pelo contrário), irreconhecível. Que se passou? Para além do facto das minhas notas terem baixado drasticamente, a minha personalidade também se alterou. Coisas da adolescência? O grupo social que me seguiu durante grande parte até aos 16 separou-se. De repente, uma nova turma, que apesar de com certeza ter ouvido alguns dos meus “feitos”, não me conhecia, não sabia o “boss” que eu era. Um pequeno, mas gigante, passo fora da minha zona de conforto. E porque não continuar a ser eu, nesta nova etapa? Poderia continuar a ser “aquele”. Mas não. Encolhi. Medo. Da rejeição? Da reação das outras pessoas? Desta última, sem dúvida. Aquela idade em que se começa a ter a dita “noção”. E passei a gostar de estar nas “sidelines”. O discreto. Não era forte o suficiente para dar passos fora da minha “cena”.
Hoje, compreendo como sair da nossa zona de conforto é das coisas mais importantes da vida. Mas retomemos. Mal eu sabia como a minha vida ainda estaria para piorar.
Chumbado. Imagino como alguns colegas de infância se questionaram (ou regozijaram) perante tal coisa. Para além do desapontamento geral da minha família, a perda da continuidade natural do processo de passagem para a universidade fez-me perder grande parte do contacto com os meus amigos. E aí, pela primeira vez, tive um relance do que é estar sozinho. Eles lá, a viver tudo aquilo que é o afamado ano de “caloiro”, e eu cá, preso por uma disciplina da treta. Um ano horrível.
O meu pai. Um pai “à maneira antiga” talvez? Nunca fomos amigos. Trabalho, desenrascanço, responsabilidade. Aquilo que ele me ensinou. Do nada, cancro. 1 mês de tratamento. E pronto. Mas porquê? Uma pressão enorme. Enorme demais para eu aguentar na altura. Pressão de não saber como reagir, como sentir, como lidar. Não tenho apoio. Estou sozinho. As minhas irmãs têm a vida delas. Não as culpo, nem nunca as vou culpar. Tal como com o meu pai, nunca fomos próximos. A diferença de idades obviamente não ajuda, mas a de personalidades também. Não sei como apoiar a minha mãe. E, de repente, num ano, estou para trás nos estudos, longe dos amigos, sem pai e sem saber o que fazer. Seguir em frente. Passei à disciplina e entrei num curso que na altura pensei que me pudesse devolver o gozo da aprendizagem. Depressa percebi que não.
3 anos. 3 anos em que mal lá pus os pés, 3 anos a gastar rios de dinheiro à minha mãe. Para quê? Para me divertir, para gozar, para viver e tentar recuperar daquele ano sofrível. Que nojo. Arrependo-me de não ter estudado e completado o curso? Uma pergunta difícil de responder. Estaria num emprego certamente com melhores perspetivas de carreira. Mas como estaria como pessoa? Nunca vou saber. Podia estar pior. Quanto a isso, acredito que não me posso dar ao luxo de me arrepender. As variáveis são muitas para calcular se estaria melhor ou pior. O nojo, vem sim de me ter aproveitado da minha mãe para tal feito. Prometi a mim mesmo que não viveria nem mais um cêntimo da boa vontade da minha mãe.
E assim começou o meu novo trajeto. Trabalho. Total independência passou a ser o meu objetivo mais importante. Consegui-o, com certamente erros pelo caminho. No entanto, falta qualquer coisa. Muita coisa.
Socializar é uma coisa difícil para mim nos dias de hoje. Engraçado como as coisas mudam. Dou-me bem com toda a gente, e as pessoas gostam de mim (digo eu). Gosto principalmente dos mais velhos. É fácil dar-se bem com pessoas mais velhas. Sinto que não julgam tão facilmente. As conversas fluem mais naturalmente. Difícil dar-me com as pessoas da minha idade. Não me consigo identificar com muitas coisas. Talvez pelo facto de pensar em como elas não passaram por aquilo que eu já passei. Os poucos amigos que tenho são os mesmos, mas estão longe. É importante mantê-los, mas gostava de fazer novos. Mas não me consigo abrir, tornar-me vulnerável. Tenho muitos colegas, mas não consigo fazer amizades.
Redes sociais? Nunca percebi a lógica. É com certeza um dos motivos pelo qual não me identifico com as pessoas da minha idade. Mas porquê? Sempre vi redes sociais como forma de “autopromoção”. Uma ferramenta para aumentar o nosso próprio ego. Que outro motivo existirá para a dependência das pessoas nesta coisa? A necessidade de nos sentirmos aceites pela sociedade. Sermos “famosos”, de certa forma. O problema, está no facto de ser tudo uma farsa. Essa vontade leva a que as pessoas se apresentem online não como realmente são, mas como querem que os outros as vejam. “Likes”. Imagino como se sentem bem por terem essa aceitação, essa forma de bajulação. Mas esse ego, esse aumento de autoestima, é falso. Faz mal às pessoas. Essas coisas têm de se ganhar pelas nossas ações na vida real. Acredito mesmo nisto. Um cancro da sociedade atual. Querem falar uns com os outros? Existem telemóveis porra. Não me lixem.
Nunca tive uma namorada “a sério”. Tinha o quê, uns 13 anos? Se bem me lembro, chegámos a dar um beijo. Não o considero a sério pela idade que tinha. Deixei a vida passar-me à frente nesta questão, sem dúvida. Beijei outra na universidade. E nada mais. Hoje, percebo o porquê. Pela mesma razão de me ser difícil socializar. Esta armadura que criei à minha volta. Durante estes anos, nunca me apercebi. Do medo. De me tornar vulnerável perante o que me aconteceu. De partilhar sentimentos.
Não estava obviamente preparado para perder o meu pai naquela altura (nunca ninguém está), mas principalmente por causa da minha idade e das outras circunstâncias que me rodeavam. Não sabia. A realidade atingiu-me muito recentemente, anos após o ocorrido. Não tinha maturidade emocional para lidar com a situação. Olho para trás e agora, apenas agora, percebo o meu pai. Também ele tinha esta armadura, um medo de se tornar vulnerável. As razões, não as conheço. Certamente algo o afetou quando era mais novo, tal como me afetou a mim. E sinto uma frustração enorme. Frustração porque nunca conheci verdadeiramente o meu pai por causa disto. Nem consigo imaginar a frustração dele, naquela cama à espera de morrer, após ter passado uma vida desta forma. A última coisa que ele me disse foi para ter cuidado, quando fosse tratar de uma tarefa que usualmente era dele. O tom dele, no entanto, mostrou que aquelas palavras significavam muito mais. Ficaram coisas por dizer, com certeza. Mas a armadura impediu-o. Não só naquele momento, mas em inúmeros anteriores. Está tudo bem pai. Eu vou partir a minha. Não irei deixar o medo conduzir a minha vida. Não posso. Um dia, não vou deixar que os meus filhos não me vejam tal como eu sou. Não te culpo.
Culpa. Como posso culpar alguém? Acredito que temos de tomar responsabilidade por tudo aquilo que nos acontece. Claro, há imprevistos, há coisas que estão fora do nosso controlo. Mas no final de contas, temos escolhas e maneiras de enfrentar as coisas. Isso já é do nosso lado. A vida é só de quem a vive.
Escrevo isto tudo porque conheci alguém. Não só alguém, mas uma rapariga que eu achei que fosse especial para mim. Sinto que a conheço apesar de mal a conhecer. Os sinais de interesse da parte dela estavam lá. E eu, o que fiz? Nada. Absolutamente nada. Pensei demasiado. Se não estaria a imaginar coisas, em como seria possível que uma rapariga tão gira e gentil pudesse estar interessada em mim. E agora passou a oportunidade. Não sei se poderei sequer voltar a vê-la frequentemente. E tive esta súbita realização da minha vida. Este medo enorme de sair da minha zona de conforto fez com que eu perdesse a oportunidade. Quem sabe o que poderia ser? Até podia não dar em nada. Mas agora não sei, e isso é infinitamente pior do que qualquer que fosse o desfecho.
Será que posso culpar o meu passado por isto? O meu pai por ser assim? A minha mãe ou as minhas irmãs? Não. A culpa é minha. Mas esta conclusão não é assim tão negativa. Sinto-me acordado. O mundo ficou um pouco mais claro. E agora cabe-me a mim, abrir-me para ele.
OP, 27 anos.
submitted by throwawaypt123123 to escrita [link] [comments]


2020.04.14 00:41 Ok_Smile Reflexões sobre os rumores de um possível Resident Evil 4 Remake

Depois de fazer um Remake do 3 completamente rushado e que te deixa com um gosto amargo no final, eles estão indo em direção a muito provavelmente estragar outro jogo que poderia ser fantástico.
A esmagadora maioria não percebeu isso no Resident Evil 2 Remake, que sim é um jogo excelente, mas ali mesmo já apresentava alguns indícios de algo um tanto corrido e sinais de uma leve má vontade eram tapeados por 2 fatores: 1. O jogo original já ser relativamente curto e linear (ao contrário do Resident 3 clássico), e 2. O fator replay através dos cenários que mascaravam o fato do jogo já ser curto e um pouco corrido. Convenhamos que as variações de história e gameplay entre os cenários A e B do Remake nem se compara a variedade um tanto maior do clássico. Mas pelo jogo ser sólido acabamos engolindo isso tudo.
Mesmo assim eu adorei o Resident Evil 2 Remake, porém, depois de finalizar todos os cenários, eu fiquei com uma sensação estranha de que faltava algo. Não foi a mesma coisa de zerar um Resident Evil 4 pela primeira vez, que você termina completamente satisfeito e apesar de estar satisfeito, você rejoga infinitas vezes, o Resident Evil 2 Remake você rejoga justamente para tentar saciar essa sua vontade de mais, mais história, mais tempo de gameplay. E no Resident Evil 3 Remake essa sensação se tornou muito mais evidente como vemos nas reviews de pessoas que realmente gostam da franquia, jogaram os clássicos e não tem medo de perder patrocínio por falar a verdade, que o jogo é corrido, capado e tudo mais. (é claro que se você não jogou o clássico ou até mesmo jogou mas não tem o apego emocional, o jogo continua sendo excelente, mas acredito que grande parcela do público da capcom são fãs que tiveram a experiência do clássico e viveram o jogo em suas respectivas épocas)
E agora vem essa bomba, eu estava torcendo pra esses rumores não surgirem tão cedo para sugerir que talvez eles realmente tivessem botando um esforço extra na obra prima que é o Resident Evil 4. Porém não é o caso. 2022 querendo ou não, principalmente se falando em desenvolvimento de jogos é logo ali. E comparado aos outros games anteriores, o Resident evil 4 é um jogo IMENSO, tanto em questão de duração, como de mecânicas, personagens e tudo mais, a profundidade do Resident Evil 4 em todos os aspectos nem se compara a um Resident Evil 2, e aqui não falo que ele seja melhor que o mesmo, apenas ressalto essa característica.
Além desse problema de sinais de que a capcom muito provavelmente vai rushar o desenvolvimento do que pode ser um dos maiores lançamentos da história da empresa, você tem outra questão que faz o remake do Resident Evil 4 não se fazer tão necessário a curto prazo: o jogo envelheceu muito bem.
Sério, se você joga Resident Evil 4 hoje em dia, no ultra em um pc, ou joga a versão de PS4 ou XONE, Ele está anos luz mais perto do que conhecemos em relação a gráficos e gameplay hoje em dia do que um Resident Evil 3, eu acredito que ainda não chegamos em um ponto aonde os gráficos do RE4 se tornaram tão defasados ao ponto de que ver a vila, o castelo, a ilha refeitos, tenha o mesmo efeito de encher os olhos ao ver a delegacia do Resident Evil 2 refeita.
Sendo assim, um Resident Evil 4 na RE Engine se comparado lado a lado com o último remaster do mesmo, muito provavelmente vai ser algo um tanto quanto "meh". A capcom está planejando lançar esse remake na hora errada. Na minha opinião, um período perfeito talvez fosse daqui a 6/7 anos.
Enfim, torço pra que eles não transformem 18 horas de pura satisfação e nostalgia em 5 horas de frustração e pensamentos do tipo "ué, mas cadé a parte tal?", "cadê cena tal?". Resident Evil 4 Remake é um jogo que merece, no mínimo 4 anos de desenvolvimento. Mas todos sabemos que no final das contas a Capcom é uma das empresas mais mercenárias que existem por aí, quando eles acham o pote de ouro, eles pegam até a última moeda, sem se preocupar com qualidade (vide Resident Evil 5, 6, Operation RC, e derivados). E eles acharam o pote de ouro da vez, remakes, eles pouco se importaram em fazer um trabalho mal feito em um jogo icônico (Resident Evil 3) e que não dá mais pra ser concertado, não dá pra inserir uma torre do relôgio via DLC, não dá pra dar uma morte decente pro Brad via DLC, não dá pra fazer o jogo ser menos linear e menos corrido via DLC, NÃO DÁ PRA BOTAR A JILL NA CARALHA DA RPD POR DLC CARA.
Realmente quero muito acreditar que eles vão prestar atenção nas críticas do Resident Evil 3 Remake e fazerem do 4 um jogo fantástico, que honre todo o peso do seu antecessor, mas confesso que estou meio pessimista quanto a isso.

Considerações acerca de algumas opiniões ditas aqui: Não acho que Resident Evil 5, 6, Operation RC sejam JOGOS RUINS, pelo contrário, são jogos de ação muito divertidos e gostosos de jogar, porém são RESIDENT EVIL'S RUINS, assassinam o legado dos seus antecessores em nome de lucro.
Algo parecido se aplica ao Resident Evil 3, não é um jogo ruim, é excelente, porém quando você olha pro clássico e tira a prova real, se mostra um jogo corrido, preguiçoso, scriptado e a desculpa de "reimaginado" não cola.
A questão é, se com uma certa má vontade e pressa pra lançar logo, a Capcom consegue fazer jogos bons, imagina só se ela botasse o esforço que seus jogos merecem em prática?

submitted by Ok_Smile to gamesEcultura [link] [comments]


2019.11.30 20:45 ChesterCopperPot72 É Muito Difícil Torcer Pelo Brasil.

Sou um executivo desempregado. A indústria na qual sou especialista foi a mais afetada pela crise pós 2014. Os números da indústria registraram uma queda de 90% em vendas de 2013 para 2014. E ainda estão muito fracos para trazerem novos investimentos que poderiam me ajudar a conseguir uma vaga.
Sou um social democrata, portanto não sou fã do Bolsonaro. Mas, ainda assim, torço por ele porque torço pelo Brasil. Se Bolsonaro fosse bem, o Brasil iria bem.
Após tantos anos de recessão o país está começando a demonstrar uma pressão interna por crescimento. O povo está lentamente retornando ao consumo, alguns empresários se cansaram de esperar por um "momento perfeito" na economia e estão iniciando investimentos timidamente.
As reformas trabalhista e previdenciária já foram passadas. Acordos internacionais estão sendo firmados especialmente com EUA e China, nossos maiores parceiros. E, apesar da economia Latino Americana não estar bem, o Brasil está conseguindo manter um pequeno nível de crescimento.
Em suma, o cenário já está quase pronto para o próximo salto do país. Mas, apesar da economia dar esses primeiros sinais otimistas, a coisa não deslancha, não avança de verdade. E a razão para isso tem nome: Bolsonaro.
Bolsonaro se tornou o maior impedimento para a saída do país do quadro de crescimento pífio.
Sua péssima atuação política em conseguir coordenar com o legislativo para aprovação de leis importantes para o país é um dos maiores problemas. Mas, isso é apenas o começo. Economias gostam de estabilidade e não de trancos e suspresas. Investidores não gostam do desconhecido e são aversos ao risco. E o que faz nosso presidente? Solta pérolas muito piores que as da Dilma. "Fazer côco dia sim dia não" como solução para o problema do meio ambiente. "Di Caprio doa dinheiro a ONGs que colocam fogo na Amazônia". "Golden Shower". São apenas alguns exemplos de quem esse presidente realmente é.
Eu realmente torço por ele. Torço para que ele pare de uma vez de permitir que seus filhos e ministros falem sobre o AI-5, para que ele não ofenda o Supremo com propagandas idiotas no Twitter, para que ele não ofenda a esposa de outros chefes de Estado.
Mas, é tudo em vão. Parece que ele próprio já não consegue ver o dano causado por suas próprias palavras. Talvez ele nunca tenha tido mesmo consciência ou talvez ele seja apenas muito burro.
É triste estar necessitando drasticamente que o país volte a receber investimento externo quando essas são as notícias que o Brasil espalha mundo afora. Tudo diretamente da boca da pessoa que tem a responsabilidade por cuidar da nossa economia e defender nossos interesses.
Triste. Bem triste.
submitted by ChesterCopperPot72 to brasil [link] [comments]


2019.01.11 15:41 Dimitri_Vladvostok O caçador de segredos [longo e bastante amador]

Eu quero fazer uma confissão. Não tenho ninguém que seja elegível a ouvir o que tenho a dizer, por isso vou jogar esse relato no confins da internet anônima antes que eu finalmente deixe de existir...o que não é de tudo ruim.
Tenho um dom, algo que você já deve ter visto ou ouvido falar de alguma forma similar, e provavelmente era falso. Mas comigo é verdade, infelizmente. Sabe aquele negócio de enxergar as ‘’auras’’ das pessoas? Pois então, eu não vejo auras, mas as ‘’camadas’’ delas. Vou explicar melhor. Cada pessoa tem suas ‘’informações’’ guardadas dentro dela. Essas informações são sua história de vida, fraquezas, qualidades, gostos, desgostos, segredos, memórias, sentimentos, etc. Cada uma dessas informações tem um certo grau de confidencialidade, e são divididas entre camadas, onde as coisas mais superficiais e ‘’visíveis’’ ficam na camada mais externa, e os segredos e características mais profundas ficam nas camadas internas. ‘’Pessoas são como cebolas’’ é o que costumo dizer, graças a isso.
Durante a vida conhecemos uma quantidade incontável de pessoas, e cada uma delas sabem uma certa quantidade sobre você, e vice versa. Cada uma sabe até uma certa camada da sua pessoa, e você, conhece diferentes camadas de diferentes pessoas, geralmente quanto mais próximo, mais profundo. A questão é que consigo ver isso no mundo real, de forma telegrafada, (agora que domino essa habilidade) no momento que quiser. Mas não pense que isso é algo bom não, é exatamente por causa disso que estou escrevendo esse texto, e contando o que aconteceu.
Desde que comecei a sair da adolescência e entrar para a vida adulta tive muito empenho em ajudar os outros e ser gentil, me faz me sentir útil aos outros, mais vivo. Talvez porque nunca experimentei esses valores durante a infância, mas isso não vem ao caso. É um episódio que ficou para trás, e não vou desenterrar ele. Graças a essa boa atitude, conheci muita gente, e lentamente graças a algumas dessas pessoas fui perdendo minha timidez. Me tornei um bom ouvinte, aprendi a conversar e ser uma pessoa mais adorável de se ter perto. Li vários livros sobre esse tema, e a coisa mais importante que aprendi foi que a coisa que todo ser humano mais anseia é a apreciação. Todo mundo quer ser apreciado, ouvido, gostado pelos outros. A sensação de ser importante é como uma droga, e nós alimentamos os outros com ela por meio de conversa e linguagem corporal. Existem diversos pequenos sinais (visíveis e subconscientes) que lhe mostram que alguém está interessado no que você está dizendo ou fazendo, sendo um ouvinte ativo, pela postura amistosa e interessada, no olhar.
Por entender isso, passei a virar parceiro de conversa de muita gente. Muitas vezes falava com alguém que considerava somente um mero colega, aquele que você se dá bem mas não para chamar no aniversário, e essa pessoa começa a contar sobre sua vida ou algum problema, algo pessoal. Então eu entro em um estado de ‘’woah porque ele tá falando isso?’’ e tento meu melhor para ajudar.
Quando completei meus 18 anos algo mudou, um dia qualquer eu acordei com a visão toda embaçada, pensei ter ficado parcialmente cego ou algo do tipo, depois de um certo pânico tudo voltou ao normal. Mas eu estava sozinho em casa aquele dia, minha família havia ido viajar a negócios e só voltava no fim de semana. Nessas horas meu contato humano é bem escasso, gosto de ficar em casa sozinho fazendo tudo que dá na telha, com o silêncio e somente os sons que eu mesmo produzo. Quando saí na rua, já estava vendo as pessoas daquela forma: No peito de cada um havia um círculo, como se estivesse pintado em seu corpo. Claro que inicialmente foi um choque, apesar de ler um pouco sobre misticismo e pessoas com ‘’dons’’ não levava isso completamente a sério. Saí na rua e comecei a observar as pessoas, e todas tinham esse padrão. Até que encontrei um amigo no caminho, e ele era diferente. Haviam três círculos, cada um após o anterior um pouco mais para dentro e menor. Fiquei olhando pra aquilo feito um bobo a ponto de nem me lembrar de cumprimenta-lo, até que voltei a realidade quando o mesmo me chamou alegremente para dar oi. Voltei pra casa, pesquisei sobre isso, nada. Nem nos fóruns mais malucos onde lunáticos claramente inventam superpoderes e acontecimentos havia algo sequer similar a isso.
Dias depois, quando encontrei meus pais, notei que eles tinham também esses círculos, mas ainda mais que o meu amigo, e mais profundos. Como não sou tão bobo, finalmente percebi a lógica disso. Eram pessoas mais próximas, comecei a comparar a quantidade dos círculos de cada um com coisas sobre eles, até que cheguei no ponto: Grau de conhecimento sobre a pessoa.
Depois de meses aceitando e até mesmo ignorando esse curioso caso que agora afetava minha vida, tentei achar alguma utilidade boa para isso. Comecei a participar de comunidades de ajuda, prevenção ao suicídio, coisas assim. Na minha cabeça, se eu tivesse essa vantagem de saber o quanto eu já sabia sobre cada pessoa que estava em um caso perigoso, junto com minha tendência a ajudar e conversar bem, poderia lidar melhor com cada um se baseando nessa margem. Se eu já enxergasse fulano com vários círculos depois de algumas conversas, saberia que tenho bastante informação para trabalhar, e poderia ajudar e dar conselhos com base no que sabia, porque era tudo verdade. Como uma ‘’confirmação’’ de que estava tudo certo.
Tudo ia muito bem, me convenci de que isso era mais uma bênção que só um evento aleatório. Até que involuntariamente comecei a usar isso na minha vida. Nos meus amigos. Nos meus parentes. Havia essa amiga, Vamos chama-la de Ms. Ms e eu éramos amigos de um bom tempo já, conversámos muito e se dávamos incrivelmente bem. Depois que ganhei esses olhos (É como passei a chamar minha habilidade), percebi que ela tinha 3 camadas. Fiquei contente até, como já disse antes, foi uma confirmação de quão ‘’confiável’’ eu era.
Não.
3 camadas, pelo que observei com o tempo, é o nível ‘’amigo’’. Na vida, 95% das pessoas com quem você faz amizade serão amigos, e somente 5% serão os amigos mesmo. Aquelas pessoas com quem você pensa em chamar e conversar, que você vai além do small talk ou de conversa oportuna em um momento social, aquela pessoa que você confia. Esses são os 5%.Sinceramente, nunca tivesse interesse algum em pessoas que não fossem dos cinco. É como se elas só enchessem um vazio que precisava ser preenchido porque a sociedade manda você ter muita gente e interagir o tempo todo. É como se tudo que fizesse com essas pessoas fosse artificial, mais como um trabalho que como algo genuíno e voluntário. Acontece que, eu considerava Ms. Uma pessoa do grupo de amigões, baseado em vários dias e conversas pessoais, etc. Nos entendíamos, assim como era com algumas outras poucas pessoas, que ao contrário dela, tinham mais camadas. Toda vez que aparentemente atingíamos um nível diferente, seja falando sobre um problema ou história, pessoalmente, nada mudava. Eu ainda enxergava as 3 camadas.
Confesso que tenho um certo vício nisso. Em ser apreciado, confiado, importante. Agora, percebo que grande parte das coisas que eu fazia eram pela recompensa, onde eu no fundo não dava a mínima para a pessoa em si, só pela sensação, a gratidão. E enquanto por um lado isso não faz diferença para a pessoa, pois tecnicamente ainda sou algo positivo para elas ajudando, o caso muda quando sinto que perco essa importância. A complacência imediata para o que der e vier se converte lentamente em apatia, pois sendo franco, aquele indivíduo não me servia mais.
Com o tempo isso começou a acontecer com Ms, pois fiquei cheio de nada nunca acontecer, e esse mistério de aparentemente estarmos bem mas meus olhos dizerem o contrário. Mas deixamos essa história de lado por enquanto.
Graças aos olhos, também comecei a detectar mentiras ou irregularidades nas pessoas quando conversávamos. Em algumas ocasiões, em algum momento quando me falavam algo mais pessoal, considerado uma camada mais funda que o normal, nada mudava. Eu metodicamente categorizei cada tipo de informação de acordo com seu grau de camada visível, baseado em quando tal informação foi contada e a mudança imediata de camada na pessoa. E por causa disso, segundo o padrão, nessas situações seus círculos deveriam imediatamente aprofundar em um nível, pois havíamos atingido uma nova fase. Mas não, não acontecia. Então ou era mentira, ou irrelevante. Mas aí é que está! Ela contava como se fosse algo importante. O que indicava segundas intenções, e quase nunca estive errado sobre isso.
Meu pai. Ele só tinha quatro camadas. Isso significa conhecimento sobre gostos e hábitos, e opiniões. Mas isso é superficial, não pode ser o máximo que você tem com seus pais. Deus, eu tinha amigos dos 95 mais profundos que ele! Comecei a me questionar se era porque mentia muito para mim (ou nós, como família) ou se simplesmente não falava nada mesmo. Comecei a puxar assunto com o velho, querer saber das coisas, virar ‘’amigo’’ mesmo dele. Nada. Certo dia, enquanto ficávamos sentados na varanda tomando café e conversando, tentei me puxar para as histórias de família, infância, até conhecer minha mãe, etc. E ele falou bastante coisa, a maioria eu já sabia, mas absolutamente nada aconteceu. Eu queria saber o que havia de errado com ele. Eu queria saber o que me levaria a chegar mais fundo nele. E eu nunca percebi o quanto errado eu estava agindo, como não me importava com ninguém, como minhas buscas eram egoístas e sem empatia pelos outros. Decidi olhar seu celular, o bobão usava a mesma senha para absolutamente tudo. Entrei no seu e-mail, abri seu whatsapp até as primeiras conversas do telefone, Messenger, tudo. Ele falava com muita gente. A grande maioria eu não faço ideia de quem sejam. Descobri que ele tem aquele hábito de tiozão grotesco que mexe no facebook, fica indo em privado de mulheres novas e atraentes, falando aquelas frases horríveis de cantada como se fosse um iludido galanteador dos anos 90. Minha espinha doía lendo aquela vergonha alheia, nem cheguei a pensar na parte de isso de certa forma ser traição.
‘’Como está o garoto?’’‘’Passou direto, esperto como o pai’’
‘’ainda bem que ele puxou a cabeça, não a cara! Hahahha’’
‘’enfim, quando você vem ver ele?’’
O desgraçado tinha outra família escondido. Eu não faço ideia como, vasculhei um pouco o perfil dessa mulher e aparentemente o filho dela tem uns 7 anos. Isso significa que foi durante o casamento, na metade dele, na verdade. Eu só queria ver ele pessoalmente naquela hora. Eu queria contar camada por camada, quantas haviam surgido naquele filho da puta. SETE. SETE. Ele achou que eu estava drogado quando comecei a olhar para o peito dele e contar em voz alta, olhos arregalados e uma cara de maníaco, até ir para o quarto. Aquilo era extremamente bem escondido e pessoal. Se fosse um mal entendido não poderia passar de sei lá, cinco. Mas não, Sete camadas. Eu havia acertado seu ponto fraco, e iria fazer bom uso dele.
Depois de muito tempo isolado com meus pensamentos de o que diabos eu iria fazer, comecei a revirar minhas memórias, analisar a tabela de camadas e como nada ali batia, como tudo provavelmente era mentira ou irrelevante, comparado a tudo que ocorria por baixo dos panos.Lembrei das vezes que os dois discutiam, e um certo evento se destacou dos outros. Enquanto o pai berrava sobre algum motivo de discussão imbecilmente aleatório como de costume, minha mãe, mais exaltada que o normal, solta ‘’Vai voltar a fazer igual antes? Tu começa de novo que vai direto para a cadeia’’. Eu não estava exatamente no local, para ser sincero estava no meu quarto, jogando, pouco me fodendo para ambos. Aquilo deu um click na minha cabeça, eu queria cavar mais a fundo isso. Então meu alvo era a mãe. Resumindo a história, ele tinha o excelente hábito de agredir. Principalmente quando bebia, algo que acontecia quando as vendas não iam bem.
Eu denunciei ele. O miserável me expulsou de casa antes de ir preso, obviamente. Arrumei um teto graças a alguns amigos e estava me virando, valeu a pena. Fiz testemunho, disse o que ouvi, forcei ela a dizer a verdade. Não foi difícil, mãe nunca foi a pessoa com grande QI. Na verdade eu estava fazendo um favor a ela se livrando desse lixo humano. Mas não, não estava pronto ainda. Eu conhecia alguém que estava preso por aqui também. O cara foi uma das pessoas que ‘’ajudei’’ nos tempos sombrios nos grupos de ajuda. Ele era um drogado, roubava qualquer pessoa sem dar a mínima, e para não ter peso na consciência, visitava o centro para contar que ‘’errou’’ e se arrependia. Pra mim era só uma desculpa para não se sentir um completo filho da puta, o que é ainda mais egoísta que roubar. Enfim, acontece que ele se dava muito bem comigo, afinal ele só queria algúem para ouvir suas lamentações e ir embora antes da polícia aparecer (não que eu tenha alguma vez chamado).
Como ele terminou preso? Foi pego, obviamente. Mas teve a feliz ideia de tentar bater no policial para fugir, e obviamente piorou mais ainda. Acontece que esse cidadão e meu velho iriam ficar temporariamente presos juntos, quem diria? Eu fui visitar esse velho amigo, dar umas risadas e tirar ele um pouco desse ambiente decadente sem esperança. E claro, pedir um favor. Contei para ele tudo que meu pai fez, com alguns comoventes detalhes, e conforme ele ia se identificando com a situação e falando que passou por algo parecido. Opa, mais uma camada! Fui moldando a história para ficar mais coincidente com a dele, afinal vale tudo para se ter apreciação e lealdade. Disse para ele dar uma surra no velho. Era o que eu mais queria fazer mas não era capaz. Ele disse para não se preocupar, a ‘’vida’’ iria dar o troco. Depois disso eu já sabia que meu trabalho estava completo.
Ele _Morreu_. Ele bateu tanto no velho que ele morreu. Hemorragia interna, sei lá. Algo importante (pra ele só) parou de funcionar. A parte boa foi o feriado que ganhei com isso. Consegui ganhar algumas boas partidas no Rocket League. Mãe, depois de me deserdar na família por aparentemente ter destruído a mesma (curiosamente ela _perdeu_ camadas depois disso), ligou pedindo se eu não iria. Respondi que precisava de 6 camadas para atender o pedido e desliguei.
Percebe como todo esse negócio foi saindo do controle? Eu estava me tornando um monstro, fissurado nessa maldição de camadas, saber demais e ser extremamente egoísta. Mas tristemente não foi o fim. Eu ainda tinha uma vida meio que andando. Tinha muitos amigos genéricos com quem poderia as vezes contar.
Conheci esse cara novo que começou a trabalhar comigo no setor de automação, e depois de umas semanas juntos, no demos muito bem. Era alguém muito quieto, notei que praticamente só falava _mesmo_ comigo. Trabalhei bastante em me aprofundar nele. Queria saber qual terrível falha ele tinha. Todos tem. Achar elas era meu hobby. Depois de um bom tempo nisso, me conta que fez a cagada de trair a namorada, com quem muito provavelmente iria casar. Eles terminaram por isso, mas já estava naquela putaria de ‘’estou brava mas quero voltar’’, sabe? Ah, mas que ironia. Mas um adúltero. Mas como esse era gente boa no geral, decidi só ‘’ajudar’’ ele mais uma vez. Voltar não era uma boa ideia, nunca iria se perdoar, iria lembrar do acontecido toda vez que olhasse para ela. O melhor seria partir para outra, e fazer ela achar isso também o certo. Claro, com um empurrãozinho. Fomos em um clube para maiores. Bebi pra krl, nem lembro direito como voltei. Mas não fiquei bobo antes de completar a missão: ele acabou ficando com 3, pegou ali mesmo, uma zona sem tamanho. Obviamente acabaram gravando, o vídeo se espalhou porque alguém saiu mandando pra geral, e virou até notícia. ‘’Noivo diz que não quer voltar fazendo vídeo com acompanhantes’’. É, foi um belo estrago. Mas ele ainda não acha que foi culpa minha, afinal foi a coisa certa. Só teve o infortúnio de sair de dentro daquele recinto.
Mas isso não ficou de graça não, ele me fez pagar, querendo ou não. Em um dia aleatório, enquanto trabalhávamos, conversando sobre nosso amigos, caímos sobre um colega em comum. Eu sempre imaginei que ele era do tipo espertalhão sacana, que é gente boa quando não custa nada mas muda se a coisa começa a custar algo para ele. Ou não pensa em ninguém quando tem chance de se dar bem, independente de se vai ferrar os outros. Nada fora do normal, estava quase no piloto automático falando com o rapaz.
‘’Mas ele é muito filha da mãe, tá pegando a Ms, e fica saindo sem pagar por aí com ela toda hora. Ainda fica com várias outras! Ele não perde uma hahaha’’
Era isso. Eu era só um otário tendo serventia. Ela me alimentava com qualquer merda para que continuasse orbitando ao redor, e ajudando. Fizemos dezenas de trabalhos de faculdade que ‘’precisavam ser entregues no dia e te contei como quem não quer nada’’ e nunca tinha tempo para fazer nada. Realmente, desse jeito não sobra tempo. Isso não iria ficar assim.
Eu lembro exatamente de como me senti naquele dia, me sentia traído, manipulado, fraco. É um grande choque quando se está muito tempo acostumado a ter tudo sobre controle. Devido a estar o tempo todo com aqueles olhos, não podia enxergar que o sacana da história era eu, não tinha nada de errado ali.
Lembro-me que ela falava muito sobre o carro. Pelo que entendi era parte muito importante da vida dela, tanto para trabalhar quanto pelo tanto de histórias que ele tinha e foi parte. Era um bom lugar para investir. Afinal, esse povo me acertava no lugar mais fraco, mentir sobre minha apreciação e importância, nada mais justo que acertar no lugar mais fraco deles também. Pesquisei bastante sobre motores, parte elétrica de carros, felizmente a internet tem conteúdo praticamente infinito, onde você aprende tudo o que quiser, basta procurar. Aprendi a superaquecer o motor. Com isso, com azar (ou sorte para mim) o carro também solta resíduos, que quando tocam alguma parte muito quente do veículo pode entrar em combustão. E para tirar o variável ‘’talvez’’, teria um pouco mais de óleo que o normal. Sem precisar de muito contexto, passei o fim de semana na casa da família dela. Durante a madrugada, depois de todo mundo beber excessivamente e desmaiar nos cantos da casa, peguei a chave do carro e fui fazer uma pequena inspeção. Preparei tudo conforme o planejado, estava tudo pronto. Já havia avisado a Ms que precisaria sair cedo no outro dia. Como combinado, de manhã já estava de pé e estávamos saindo. Todo mundo ainda dormia, ou pra ser mais exato, estava em coma alcóolico. Acho incrível como as pessoas gostam de beber tanto, só pra ficarem mais idiotas e morrer por algumas horas no dia seguinte. Enfim, ela foi para o carro, eu disse que só iria pegar a bolsa e ela já poderia ir ligando o carro.
Ouvi o motor dando a partida, os sons fora do normal e estranhos, levando a um grito de susto até chegar nos pedidos de ajuda. Com toda a pressa do mundo fui ajudar, mas já era tarde demais. O carro tinha virado um bloco gigante de carvão, e não tinha nem mesmo como pegar o extintor lá dentro. Ligamos para os bombeiros e tudo terminou ‘’bem’’. Ela parecia um cadáver. Não falava com ninguém, parecia que tinha perdido um parente. ‘’Bem feito’’ era o que eu dizia pra mim mesmo.
‘’Eu venci.’’
Até agora não sei o que eu venci. Era uma guerra? Uma disputa? O que exatamente eu ganhei com tudo isso? Sinceramente agora nada faz sentido. Se eu soubesse tudo isso, mas sendo outra pessoa, acho que iria matar ela. Mas sou eu, eu fiz tudo isso. Nas últimas semanas antes de ter um colapso mental tive alguns dias me sentindo o soberano, o rei. Havia até achado uma nova pessoa para explorar, e tinha começado a dar os primeiros passos.
Me olhei no espelho, e pela primeira vez percebi algo que esteve o tempo todo ali: Eu só tinha uma camada. O que diabos isso significa? Eu não me conheço?
Comecei a estudar sobre meditação, introspecção e coisas do tipo. Comecei a gastar horas meditando e refletindo, criei gosto por isso. Passei a entender alguns dos motivos pelos quais me sentia mal, por exemplo. Em dado momento surgiu mais uma camada. Quando cheguei a conclusão que eu iria ferrar de uma forma ou outra com a próxima pessoa também, não importasse o que acontecesse. Nessa hora percebi que realmente tinha a ver com o quanto eu me conhecia. E isso significava que eu não sabia _NADA_ sobre mim. Passei a questionar até que ponto eu me iludia das coisas que eu fazia, até onde meus ideais estavam certos. Vendo matérias sobre sociopatas, aprendi que eles também não enxergam o valor nas pessoas, elas são irrelevantes na escala emocional e afetiva. E caramba, eu estava pensando assim! Quanto mais parava para pensar mais me aprofundava nesse espiral de realização de que era uma escória para todos. Fazia reflexões e tirava conclusões sobre meus hábitos, como eu estava passando dos limites em cada situação e não tinha remorso, e em toda nova conclusão, uma camada brotava no meu peito. Eu nunca pensei que entender a mim mesmo fosse a coisa mais aterrorizante de todas.
Agora, que estou sozinho, isolado em um lugar escondido, longe de todos que afetei, espero meu fim. Não quero causar mais nada a ninguém, não quero ver suas camadas, não quero existir. E aqui chegamos ao fim, não sei quando ou onde você acabou lendo isso, mas não se preocupe, provavelmente tudo isso não vai passar de mais uma história absurda em um fórum anônimo.
Pessoas são como cebolas, quanto mais camadas tocar, mais você chora.
submitted by Dimitri_Vladvostok to rapidinhapoetica [link] [comments]


2018.01.27 23:33 aleluia1983 Só vai ser alegria mesmo com Jesus Cristo

Agora sim estou na Igreja para fazer o que mais gosto está até colado no meu nome cantar louvores ao meu Deus e dar glória ao seu nome. O que eu vejo é um milagre muito grande não o ser cristão evangélico mas o estar aqui numa Igreja depois de um tempo desligado das minhas tarefas momentos que eu não acreditava mais que pudesse voltar. Assim dizendo eu pensava. Mas os meus pensamentos não são os pensamentos de Deus que pensa mais alto que os meus pensamentos e anda por caminhos mais altos que os meus caminhos. Ele é o Senhor. Louvar ao Senhor está ligado a um tipo de amor que se tem por Deus. Se eu gosto de Deus eu vou fazer o que o agrada e um meio de agradecer por todo bem que o Senhor me tem feito e nem acredito que estou conseguindo fazer o que para mim era impossível. O que acho estranho é que há pessoas que não gostam de Deus ou não gostam do Deus que nós evangélicos acreditamos. E o Deus que acreditamos é o Senhor Jesus Cristo. No primeiro capítulo de Atos dos Apóstolos, Lucas conta a história verdadeira da ascensão de Jesus Cristo em que aproximadamente quinhentas pessoas foram testemunhas desse acontecimento quando o Filho de Deus subiu ao céu para ser glorificado, coroado, e receber o seu Reino com todo poder e autoridade sobre tudo. Enquanto observavam a subida de Jesus, diz a Bíblia que uma nuvem apareceu e o ocultou dos seus olhos. Eu acredito que seus discípulos e amigos ao ver seu Mestre subir e ao não poder vê-lo mais começaram a chorar muito. Mas imediatamente veio a providência de Deus em que dois homens com vestes brancas se apresentam a eles e falam assim: Varões galileus por que vocês estão olhando para cima? Este Jesus que vocês viram ser agora recebido no céu vai descer da mesma maneira que o vistes ir. Em que lugar eles estavam? No Monte das Oliveiras, lugar bem ao lado de Jerusalém e a Bíblia diz que o Senhor descerá do céu e vai por os seus pés de um lado para o oriente e do outro lado para o ocidente e o monte vai se fender ao meio e se dividir em duas partes. A volta do Senhor Jesus Cristo não é nem algo ligado a fé porque é uma realidade. É tão realidade que chega até a ser mais que fé que também é uma realidade e a volta do Senhor Jesus é uma realidade maior que a fé. Todas as palavras que sabemos que disse o Senhor Jesus no tempo da sua vinda estamos vendo se cumprir diante dos nossos olhos. É um tempo que por não sabermos o dia e a hora de vivermos em vigilância constante sem distração alguma. Nós cristãos sabemos que Jesus Cristo pode voltar a qualquer momento e eu vou contar uma experiência pessoal. Eu tenho visto sinais claros da volta de Jesus através do que acontece no tempo e sinais ligados a coincidências que para mim não tem explicação. De um momento para o outro começaram a aparecer sinais claros que entendi ser um sinal claro da volta de Jesus. E pode ser que a preocupação de Deus ao me mostrar tantos sinais seja em parte por causa da minha incredulidade que estou vencendo e estou vendo que cada dia mais com tanto de Deus acontecendo esse mal será vencido quando na verdade já está vencido. Só tenta um meio de nos tirar da atenção de Deus mas comigo não está conseguindo. Eu estou enfrentando a ira e a fúria de um grande inimigo mas ele não tem conseguido mais esconder seu rosto de mim e vendo isso eu tenho mais coragem de ir a Igreja e fazer a vontade de Deus. Eu li a Bíblia quando criança e entendi. Eu li a Bíblia depois de adulto e entendi. E agora sem ler a Bíblia eu consigo entender a Palavra de Deus muito mais do que quando criança. Parece que toda a Escritura da Bíblia está gravada na minha memória e se ouço algo que nem é bíblico a minha memória caça como um rastreamento aonde está escrito na Bíblia o que fazer ou a resposta para as questões. Eu vou ir na Igreja que fica bem ali cantar um louvor ao meu Deus pode ser que para isso eu tenha sido criado. Para cantar louvores ao meu Deus. Nem sempre eu acerto as notas e nem todo hino se encaixa na minha voz. Eu tenho procurado alcançar notas mais altas e tenho conseguido. Acredito que a pessoa que canta não gosta de ouvir a própria voz mas eu tenho ouvido os últimos vídeos que tenho gravado cantando e tenho gostado. Enquanto eu penso que ninguém gosta de me ouvir para outras pessoas pode parecer muito bom. A minha intenção é a de louvar ao Senhor e só ao Senhor. Eu não queria nunca falar isso. Mas faz um tempo passei a notar algo no canto dos galos. De uma maneira sem falar parece que os galos ao cantarem cantam a palavra Aleluia. Nem todos vão ouvir porque nem todos tem um ouvido preparado para isso. Mas observa bem os galos ao cantarem cantam: Aleluiiiiaaaa. Tudo o que você puder fazer para louvar ao Senhor, faça! O rei Davi acredita-se ter sido vencedor porque cantava louvores ao Senhor e era um bom escritor de orações cantadas chamadas na Bíblia Sagrada de Salmos. Louve ao Senhor com toda sua força e de todo coração. A Bíblia diz que tudo o que tem fôlego louve ao Senhor. Louvar ao Senhor traz alegria para alma que também só canta de alegria. Que Deus seja louvado para sempre em todo lugar. O Senhor habita entre os louvores por isso Deus está aqui. Se você quer algo na vida tem que lutar muito que num momento vai vencer orando em nome de Jesus. Se Deus está te vendo é só esperar o momento em que ele quiser mostrar seu grande milagre. Para terminar vou escrever uma palavra que representa a vontade de todo crente. Maranata! Essa palavra Maranata traduzida significa Ora Vem. E num sentido mais correto nós cristãos usamos esse nome para falar "Ora vem, Senhor Jesus". Canta aleluia. Amém. Louvai ao Senhor! O mesmo vídeo está no YouTube se quiser ver clica no link. https://youtu.be/S4OJnw3GUCM
submitted by aleluia1983 to u/aleluia1983 [link] [comments]


2014.01.07 09:09 brasilbitcoin Fãs das Bitcoins em Wall Street procuram ganhar moeda

Entusiastas estão comprando e conservando a moeda virtual, apostando que ela chegará a novos recordes
Washington - Após desenvolver uma fascinação pelas moedas digitais, Jonathan Silverman largou seu emprego como gerente de fundos no Morgan Stanley em maio para arrumar outro como operador das moedas virtuais.
Como diretor de operações em uma bolsa de Bitcoins, Silverman, de 25 anos, uniu-se a um grupo de corretores de Wall Street, analistas, hedge funds e outros especuladores que estão apostando na nova moeda. Eles são atraídos pelo crescente valor da Bitcoin – que aumentou cerca de 50 vezes no ano passado – e pela novidade de serem pioneiros em um novo reino das finanças.
“Acho que a Bitcoin será a primeira moeda codificada, mas não a última”, disse Silverman em uma entrevista. “Será um ativo seguro primordial”.
Até agora, a Bitcoin, uma invenção volátil e pouco compreendida, é tudo menos segura. A pressão regulatória sobre a tomada de riscos de Wall Street e as reduções de empregos e salários na indústria desde a crise financeira elevaram o atrativo da moeda virtual para os banqueiros que procuram lucros em outras partes.
Alguns entusiastas da Bitcoin estão comprando e conservando a moeda, apostando que ela chegará a novos recordes. Outros estão abrindo empresas para operar, trocar ou armazenar Bitcoins. Ainda há outros que estão acumulando capital de risco do Vale do Silício e de outros lugares no intuito de investirem em negócios ligados às Bitcoins. Na grande maioria, tratam-se de indivíduos, não de grandes empresas.
“Eles estão liderando o restante de Wall Street”, disse Barry Silbert, fundador e diretor da SecondMarket Inc., uma corretora de Nova York que administra um fundo de moedas virtuais. “Eles estão entusiasmados com a Bitcoin”.
Alguns céticos
Os céticos com as Bitcoins não veem muito mais do que uma nova bolha financeira. Em um artigo feito no mês passado para a Secretaria Nacional de Pesquisa Econômica, o economista David Yermack escreveu que embora as Bitcoins sejam cada vez mais aceitas como meio de troca pelos comerciantes, elas não possuem duas características de toda moeda: são voláteis demais como unidade contábil ou como reserva de valor.
Os reguladores deram sinais ambíguos. Ainda que as agências americanas dissessem que a Bitcoin pode ser considerada um meio legítimo de troca, países como a China e os EUA fecharam algumas bolsas e países escandinavos impuseram restrições.
A repressão regulatória não suprimiu o interesse pelas Bitcoins em Wall Street, disse Jonathan Mohan, fundador da BitcoinNYC, um grupo de redes de comunicações. Uma festa na véspera do Ano Novo perto da Bolsa de Nova York atraiu 150 pessoas para um lugar atualmente chamado NYC Bitcoin Center, onde novas companhias podem alugar escritórios e finalmente trocar Bitcoins pessoalmente, disse Mohan.
Embora aumente o interesse de Wall Street, também aumenta o de Occupy Wall Street, o grupo de protestos que acampou durante meses no Zucotti Park de Nova York em 2011 para protestar contra a influência dos bancos. Os ativistas do Occupy veem a Bitcoin como uma forma de contornar um sistema bancário de que não gostam, tornando mais complexo o trabalho de ligação de Mohan.
“É muito difícil ter banqueiros e o pessoal do Occupy Wall Street na mesma sala”, disse Mohan.
Resultados diversos
Os primeiros dias da Bitcoin produziram resultados diversos para os entusiastas de Wall Street. Silverman, que gerenciou fundos negociados em bolsa durante a maior parte dos três anos que trabalhou no Morgan Stanley, dividia um apartamento em Manhattan com um operador do Goldman Sachs Group Inc. chamado Fred Ehrsam. Em 2012, Ehrsam mudou-se para San Francisco para fundar a Coinbase Inc., uma startup de San Francisco. Neste mês, a Coinbase obteve o maior investimento até agora para uma startup de Bitcoins, US$ 25 milhões.
Silverman não teve tanta sorte. Ele perdeu o emprego quando a bolsa para a qual trabalhava, a Tradehill, de San Francisco, não conseguiu achar um banco que administrasse as trocas de e para dólares. Destemido, agora Silverman está trabalhando em novos empreendimentos com moedas virtuais enquanto estuda a literatura econômica sobre o dinheiro.
“Eu adorava as bolhas quando estava em Wall Street e continuo adorando”, disse Silverman.
EXAME
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]


Pessoas que gostam de humilhar as outras Um Sinal Clássico Que Alguém Te Deseja Toma conta da sua vida! 10 Sinais Que Uma Menina Gosta de Você - YouTube Simpatia pra duas pessoas brigarem! Tomarem nojo e ódio uma da outra! INFALÍVEL 5 SINAIS DE QUE MESMO TERMINANDO, VOCÊS AINDA GOSTAM UM DO OUTRO As pessoas dão sinais. 6 SINAIS QUE ALGUÉM GOSTA DE VOCÊ SOU CASADA, MAS ME APAIXONEI POR OUTRO! :( #LuConselheira Sou casada, me sinto atraída por outra pessoa. E agora?

11 sinais de que vocês vão envelhecer juntos

  1. Pessoas que gostam de humilhar as outras
  2. Um Sinal Clássico Que Alguém Te Deseja
  3. Toma conta da sua vida!
  4. 10 Sinais Que Uma Menina Gosta de Você - YouTube
  5. Simpatia pra duas pessoas brigarem! Tomarem nojo e ódio uma da outra! INFALÍVEL
  6. 5 SINAIS DE QUE MESMO TERMINANDO, VOCÊS AINDA GOSTAM UM DO OUTRO
  7. As pessoas dão sinais.
  8. 6 SINAIS QUE ALGUÉM GOSTA DE VOCÊ
  9. SOU CASADA, MAS ME APAIXONEI POR OUTRO! :( #LuConselheira
  10. Sou casada, me sinto atraída por outra pessoa. E agora?

a pessoa olha para aquilo que ela deseja, então ela vai olhar para determinadas partes do seu corpo, mas tem um aqui é definitiva, a pessoa olha para a sua boca. Participe do canal direto Relacionamentos Poderosos e da Aline Schulz 1-) Baixe o aplicativo telegram (grátis) Para baixar acesse sua loja de APP de acordo com seu celular. As pessoas, às vezes de forma bem visível e outras de forma muito sutil, sempre demonstram o real interesse, se desejam estar ao seu lado ou não, se você é i... Simpatia do Álcool pra separar 2 pessoas. Resultado em até 48 horas depende da sua fé. Faça vc Mesmo - Duration: 5:45. Pai Francisco Borges Oficial 165,911 views No vídeo de hoje listamos 10 sinais que uma menina gosta de você. Não esqueçam do like, se inscrevam, e ativem às notificações. :D Desfrutem do vídeo. Espero... Se Inscreva no canal e Deixe o seu Joinha! • CURSO MENTALIDADE FEMININA REVELADA: https://go.hotmart.com/V7280180X • E-mail Comercial: [email protected] 50+ videos Play all Mix - 6 SINAIS QUE ALGUÉM GOSTA DE VOCÊ YouTube 8 Sinais de Que Você É Muito Mais Atraente do Que Pensa - Duration: 9:06. INCRÍVEL 2,571,656 views Recriamos um vídeo do Facebook! Isso vai para todas as pessoas que gostam de cuidar da vida do outro! 😂😂 Humilhar o outro é a defesa de uma pessoa ignorante pela necessidade de se sentir superior. ... Pessoas que gostam de humilhar as outras Sedução e Sexualidade ... Sinais Que Alguém Não Gosta ... SOU CASADA E ESTOU APAIXONADA POR OUTRO. O QUE FAZER? - Pergunte ao Psicólogo - Duration: 6:24. ... 3 SINAIS COMPROVADOS QUE A PESSOA TE QUER MUITO! - Duration: 13:15.